Project Catedral Metropolitana de Campinas

Projeto fotográfico autoral tendo como tema a Catedral Metropolitana de Campinas. Pesquisa e textos de autoria da Pesquisadora, Mestre e Doutoranda em História da Arte, Paula Barrantes.

Estátua em Homenagem a Dom Nery - Coleção ESTILO
Em 1924, após a grande reforma da fachada, a população de Campinas homenageia seu primeiro Bispo, Dom João Batista Correia Nery, com um monumento de bronze. A obra foi realizada por Fernando Frick que coloca o Bispo acolhendo com as mãos um grupo de crianças com livros, uma referencia às grandes preocupações de Dom Nery, a educação, as crianças , a caridade e o patrimônio da Igreja em Campinas. Dom Nery lutou junto aos médicos contra a febre amarela, a pobreza e a ignorância. Campinas, 2016. Cod: CAP20120001PB
Fachada Frontal da Catedral - Coleção ESTILO
Fachada Frontal da Catedral. A fachada frontal e as laterais foram projetadas e construídas pelo arquiteto italiano Cristóvão Bonini, de 1876 a 1879. Os detalhes que ornamentam a fachada como festões, frontão, quadros comemorativos, capitéis de colunas, volutas e caixa do relógio foram executados pelo entalhador italiano Raffaello de Rosa, igualmente contratado por Bonini. A fachada vem lembrar a chamada igreja mãe de São João de Latrão e a Basílica de São Pedro, em Roma. Campinas, 2012. Cod: CAP20160002PB
Nave e Presbitério - Coleção ESTILO
O domínio da perspectiva e da proporção chega a um equilíbrio harmônico. A perspectiva criada na organização dos bancos conduz para o altar no presbitério e, em seguida, eleva o olhar ao trono do Retábulo Mor com suas colunas harmônicas e proporcionais. A proporção Humana é representada pelas colunas com capitéis coríntios em equilíbrio com a perfeição de Deus e da Natureza. A introdução do altar de frente para a comunidade, oferecendo a missa rezada em português veio a acontecer após o Concílio Vaticano II, em 1965. Campinas, 2016. Cod: CAP20160003PB
Visão do Coro e da Nave Para o Altar - Coleção ESTILO
Contornado por um caminho profuso em folhagens, frutas, anjos e luzes suaves o olhar não se perde quando procura do Coro, no horizonte, o Retábulo Mor do templo. Para o belíssimo retábulo mor responderá toda a decoração do templo e seu acervo, tanto grades do Coro como o Retábulo Mor foram feitos pelo baiano Vitoriano dos Anjos Figueroa, de 1854 a 1862. Tudo é harmonia, cada elemento é importante e tem muito a dizer, cada sombra e luz nos leva adiante da matéria pura e simples demonstrando que o transcendente é construído nos pequenos detalhes. Campinas, 2016. Cod: CAP20160004PB
Arco Intradorso Visto Por Trás do Altar - Coleção ESTILO
A visão da nave por trás do altar possibilita enxergar o grande Órgão Cavaillé Coll, encomendado na França pelo arquiteto Ramos de Azevedo, e a Rosácea superior instalada sobre o órgão. Todo o Coro pode ser visto com seus dois andares. Embora prontas desde 1862, as grades feitas por Vitoriano dos Anjos só foram instaladas em 1881, quando o conjunto do Coro foi feito pelo entalhador Raffaello de Rosa. Campinas, 2016. Cod: CAP20160005PB
Cadeiral do Coro - Coleção FINEART
O cadeiral do Coro é uma peça de mobiliário introduzida na Idade Média em Catedrais ou Igrejas Monásticas. É destinado em geral ao Clero e usualmente está disposto em dois andares diferentes, na parte de traz tem-se o espaldar alto. O cadeiral do Coro acompanha o mobiliário da Capela Mor e na maior parte dos casos é feito em madeira. Campinas, 2016. Cod: CAP20160006PB
Nave Central Vista do Altar - Coleção ESTILO
A nave central na estrutura arquitetônica religiosa vem significar o corpo de Cristo que é percorrido por quem nela está, olhar portanto a nave a partir do altar mor significa adentrarmos a visão espiritual do corpo de Cristo. Da “concepção” à “crucifixão” existe todo um caminho de reflexão que só pode ser percorrido com a observação dos pequenos detalhes. O trabalho de talha e os elementos decorativos não dispersam mas, ao contrário, ajudam no entendimento. O Conjunto de talha da Catedral representa importante obra artística e histórica que vem demonstrar a expressão da religiosidade de todo um período. Campinas, 2016. Cod: CAP20160007PB
Altar Colateral do Sagrado Coração de Jesus - Coleção ESTILO
Muito próximo à concepção arquitetônica do Retábulo Mor este altar procura harmonizar-se com o primeiro, são colunas independentes que circundam o trono, a coroa é vazada permitindo o jogo de luzes com a parede. No entanto, olhando-se meticulosamente o trono é fechado e denso, frutas decoram as colunas. Nestes detalhes percebe-se a produção do entalhador Bernardino de Sena Reis e Almeida (1862-1865). Campinas, 2016. Cod: CAP20160008PB
Altar Colateral de Nossa Senhora do Rosário - Coleção ESTILO
Impossível não refletir sobre a transitoriedade humana perante a centenária obra de arte, muito bem trabalhada na imagem. Este altar colateral de colunas independentes com decoração de frutas, coroa vazada, trono de andares fechados e densos foi construído por Bernardino de Sena (1862-1865). Inicialmente era destinado à Sagrada Família, o altar foi encomendado pela Irmandade do Divino Espírito Santo, fundada em 1862, daí a inserção do Divino Espírito Santo no florão central. Campinas, 2016. Cod: CAP20160009PB
Confessionário - Coleção FINEART
O confessionário faz parte do mobiliário histórico do séc. XIX quando normalmente confissões eram realizadas no corpo da nave. Chegando o séc. XX a busca por maior privacidade tornou a peça apenas decorativa, uma vez que principalmente os homens requeriam espaço mais afastado do público. Com o Concílio Vaticano II a peça caiu praticamente em desuso, contudo, devem ser mantidos como registro histórico de uma época com seus costumes e regras, além do aspecto artístico que lhe é inerente. Campinas, 2016. Cod: CAP20160010PB
Capela de Nosso Senhor dos Passos - Coleção ESTILO
A capela de Nosso Senhor dos Passos ficou pronta em 1865, feita pelo entalhador Bernardino de Sena. Inicialmente era dedicada ao Santíssimo Sacramento, entretanto, após a construção da nova capela ela foi dedicada à Nosso Senhor dos Passos, imagem essa também adquirida pela Irmandade do Santíssimo Sacramento para a inauguração da Matriz. A decoração interior da capela foi feita pelo entalhador Raffaello de Rosa. O espaço sagrado e profano é delimitado por balaustrada de madeira com degraus, a decoração do arco é agitada e invade o espaço da tribuna, na decoração superior e na coroa vazada interior acentua-se a profundidade e o jogo do claro escuro. Campinas, 2016. Cod: CAP20160011PB
Retábulo Mor - Coleção ESTILO
O belo Retábulo Mor é composto por frontal, mesa, pilastrinas, colunas independentes, sacrário, nicho do protetor, andares do trono e nicho de Cristo, é encimado por coroa dupla vazada, festões de flores e vasos com elementos vazados, a luz que permeia o conjunto só faz ressaltar a arquitetura e o contato do olhar com o que está além do conjunto arquitetônico. A atual imagem de Nossa Senhora da Conceição foi benzida e colocada em seu nicho em 1913, trazida da Casa Sucena no Rio de Janeiro, que a importou da França. Campinas, 2016. Cod: CAP20160012PB
Vitral do Paravento - Coleção ESTILO
Tendo seu nome muito atrelado à sua funcionalidade o paravento tem dupla função, separa o espaço profano externo do corpo da nave central e ameniza a incidência dos ventos fortes que adentram pela Porta Frontal ou Porta Santa. É neste espaço inicial formado entre a porta principal e o paravento que a preparação para o ritual litúrgico, o recolhimento pessoal e silêncio espiritual devem começar. Os vitrais aqui representados trazem cenas da anunciação à Maria, foram instalados em 1923, pela Casa Conrado. Campinas, 2016. Cod: CAP20160013PB
Nave Central Vista do Alto - Coleção ESTILO
A nave central traz no piso um mosaico de tons, o espaço é intercalado por confessionários históricos, ferragens feitas à mão, altares laterais construídos conforme regras específicas, mantendo a necessidade da separação do espaço profano pelos três degraus. Bancos geométricos conferem ordem ao espaço da nave todo ele adoçado por decorações fitomorfas que chegam a invadir as tribunas. Construído aos poucos, o conjunto da nave como o conhecemos foi terminado por Dom Francisco de Campos Barreto, com a reforma de 1923 que introduziu os bancos de madeira na nave. Campinas, 2016. Cod: CAP20160014PB
Visão do Coro da Nave para o Altar - Coleção FINEART
Contornado por um caminho profuso em folhagens, frutas, anjos e luzes suaves o olhar não se perde quando procura do Coro, no horizonte, o Retábulo Mor do templo. Para o belíssimo retábulo mor responderá toda a decoração do templo e seu acervo, tanto grades do Coro como o Retábulo Mor foram feitos pelo baiano Vitoriano dos Anjos Figueroa, de 1854 a 1862. Tudo é harmonia, cada elemento é importante e tem muito a dizer, cada sombra e luz nos leva adiante da matéria pura e simples demonstrando que o transcendente é construído nos pequenos detalhes. Campinas, 2016. Cod: CAP20160015PB
Capela Mor - Coleção ESTILO
No início da Capela Mor é possível apreciar a monumentalidade do  Retábulo Mor da Catedral, o olhar percorre o altar , em seguida o frontal e a mesa do retábulo mor, o sacrário, o nicho da padroeira e as 12 colunas independentes que protegem o trono. Aos poucos o olhar se ergue do primeiro ao sétimo andar do trono para, enfim, chegar ao ponto central, o nicho de Cristo crucificado sob as coroas vazadas. Tem-se, assim, todo o caminho percorrido da matéria ao transcendente escrito de maneira poética em uma obra de arte. A fotografia muito cuidada demonstra elementos vazados, luzes e sombras, como um fragmento do momento do Homem perante sua religiosidade e espiritualidade. A decoração da Capela Mor teve a participação dos quatro entalhadores, em épocas diferentes: Vitoriano dos Anjos, Bernardino de Sena, Raffaello de Rosa e Marino Del Favero. Campinas, 2016. Cod: CAP20160016PB
Órgão - Coleção ESTILO
O grande órgão Cavaillé Coll foi encomendado na França pelo arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo, apesar de especialista em feitios barrocos a Maison francesa no séc. XIX criou órgãos com decorações variadas, sendo o de Campinas uma produção com estilo Neogótico. A introdução do instrumento na Matriz foi importante mas trouxe como consequência o problema de não haverem partituras para ele e não haver profissional preparado para tocá-lo. Na época o arquiteto foi criticado pela população que quase não conseguia ver o instrumento ser usado. Campinas, 2016. Cod: CAP20160017PB
Detalhe do Teto da Nave Central - Coleção ESTILO
O teto da nave com todo seu ornamento ficou pronto em 1883 para a inauguração do templo. A decoração atual, no entanto, não é original tendo sido refeita em 2011 quando foi trocado o forro de madeira da nave. Entre o rendilhado de madeira e a nave, intercala-se o rendilhado dos belos lustres de cristal Baraccat trazidos da França, pelo Arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo. Campinas, 2016. Cod: CAP20160018PB
Vitrais da Entrada - Coleção ESTILO
A proximidade junto ao vitral do paravento e a iluminação própria permite distinguir as cenas da anunciação e a figura esplendorosa da Imaculada no arco. Os atributos estão presentes nas rosas, no resplendor de estrelas, nas nuvens sob os pés. O arco foi refeito em 1923, quando a Casa Conrado recebe a encomenda específica de reproduzir a antiga pintura sobre vidro feita pelo artista Alpinice Torrine. Campinas, 2016. Cod: CAP20160019PB
Fileira de Bancos - Coleção ESTILO
As fileiras de bancos formam elementos geométricos que mesclam-se perante a atração da luz. A geometria é quebrada pelas formas arredondadas da decoração de formas vegetais do altar lateral. Novamente o equilíbrio entre o Homem e Deus no espaço sagrado. Os bancos foram colocados na nave central, em 1923, pelo arquiteto Adelardo Caiuby, as luminárias foram colocadas em funcionamento, em 1883, pela Fundição Faber. Campinas, 2016. Cod: CAP20160020PB
Back to Top